domingo, 29 de julho de 2012

Quando a notícia bomba explode no colo de tucanos e de Gilmar Mendes a Globo esconde


Como sempre, quando a batata assa para o lado demotucano, não sai nada na TV.

A revista Carta Capital trouxe a matéria com ingredientes novos do "mensalão tucano", entre eles uma listagem em que aparece o nome do ministro do STF Gilmar Mendes, como receptor de R$ 185 mil no "mensalão" tucano de 1998.

O relatório da suposta contabilidade do caixa-2 de campanha chegou às mãos do advogado da família da modelo Cristiane Ferreira, assassinada em Belo Horizonte em 2000.

Para o advogado, o assassinato foi queima de arquivo, pois ela acompanhava políticos importantes do demotucanato mineiro e, na listagem, aparece o nome dela ao lado do nome de políticos, recebendo quantias milionárias.

A listagem é em papel timbrado da agência de publicidade SMPB e assinado por Marcos Valério, que nega a autoria dizendo que o documento é falso. Gilmar Mendes também desqualifica pois o nome de Gilmar aparece como se fosse da AGU (advocacia Geral da União), cargo que ele só veio a ocupar em janeiro de 2000.

Junto com a listagem há a cópia de diversos depósitos ou doc`s de transferência bancária que, em grande parte dos casos, bate com os valores da listagem, o que confere certa credibilidade em seu conteúdo.

Há 3 possibilidade:

1) A lista é verdadeira, e só uma perícia (que será feita) poderá comprovar;

2) A lista era verdadeira e foi adulterada para incluir nomes que não constavam, com fins escusos;

3) A lista é falsa, mas parte de seu conteúdo é verdadeiro, como mostram os comprovantes bancários;

Em qualquer caso o assunto é notícia explosiva que nenhum jornalismo poderia deixar de publicar. O Jornal Nacional não tocou no assunto.

Por Zé Augusto (Blog Os Amigos do Presidente Lula)

quarta-feira, 25 de julho de 2012

A truculência reiterada de Serra


Autor: 
 
 Aqui vai um apanhado da truculência de José Serra, a partir da contribuição de vocês.
1.    Inspirado por José Serra, o diretório nacional do PSDB entrou com representação junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), questionando a publicidade da Caixa Econômica Federal (CEF) no Blog Luís Nassif Online.
2.    Recentemente, a Burson Mursteller considerou o Blog um dos 4 jornalísticos mais influentes do Twitter e o único independente.
3.    O Blog tem conteúdo analitico e informativo. Grande parte do conteúdo é constituído de clipping de jornais, sugeridos pelos leitores.
4.    No dia em que foi noticiada a representação, a análise dos últimos 300 posts do Blog revelavam o seguinte: 8 apenas foram sobre o mensalão, todos decorrência da decisão recente do TCU (Tribunal de Contas da União) de considerar regulares as contas do BB no período Pizolatto; cinco deles, reprodução de matérias de jornais; duas deles, de leitores analisando o papel dos ministros do TCU; outros dois, minimizando o relatório do TCU: um, a nota do próprio TCU, outra, matéria do Globo informando que o Procurador Geral da República não se deixaria influenciar pela decisão do TCU. Em relação às eleições, 11 posts, dentre os últimos 300: desses, 6 de jornalões e portais; um de site de esquerda; dois do blog, sobre a tropa de choque de Serra e sobre a foto ridícula dele no skate; dentre os 11, um do Globo com Serra acusando os blogs.
5.    O que Serra pretende é calar qualquer voz crítica em relação a ele, como usualmente faz com jornalistas da própria velha mídia.
6.    No mesmo dia, era possível identificar publicidade da mesma CEF e de outras estatais em blogs claramente militantes pró-Serra, como os da Veja.
Quanto a Serra, um apanhado de como atua em relação aos críticos:
1.    Por pressão de Serra, a TV Cultura não renovou meu contrato em 2008 devido a comentários no meu blog sobre os maus resultados da Sabesp. Na época critiquei os gastos da Sabesp com uma campanha publicitária veiculada em todo o país, incompatível para uma empresa de saneamento estadual. A não renovação do contrato foi cumprida por Paulo Markun e Gabriel Priolli.
2.   O apresentador Heródoto Barbeiro foi afastado da TV Cultura por ter feito uma pergunta sobre pedágio a Serra, durante um Roda Viva. No programa, Serra mente, diz que o pedágio da Ayrton Senna baixou pela metade. Não explicou que a cobrança, que antes era em apenas uma direção, passou a ser nas duas.
3.    Depois de ter siodo instrumento de Serra para meu afastamento, o próprio chefe de jornalismo Gabriel Priolli foi afastado por ter feito uma pauta sobre pedágio.
4.    O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso - a quem Serra deve sua carreira - foi duramente atacado pelo historiador Marco Antonio Villa (praticamente único intelectual militante que ainda se alinha com Serra) dias depois de ter declarado que o candidato do PSDB à presidência, em 2014, seria Aécio Neves. Clique aqui.
5.    Em fins de 2009, publiquei um artigo sobre o estilo de administrar de Serra, mostrando sua total inapetência para gestão. O Secretário de Comunicação Social procurou jornais do interior paulista - que republicam a coluna - ameaçando com cortes de verbas.
6.    Minha irmã Maria Inês Nassif foi alvo de uma pressão pesada da Secretaria de Comunicação Social do governo Serra - a mando do próprio governador - por ter se pronunciado, em coluna no Valor Econômico, contra o instituto da delação na lei antifumo. Dias e dias de pressão até que o Valor aceitou pubicr artigo do Secretário de Justiça acusando-a de fazer lobby da indústria do cigarro.
7.     A jornalista Márcia Peltier foi destratada por Serra, com palavras duras, por ter feito perguntas julgadas impertinentes pelo candidato.
8.    Destrata ao vivo repórter da rádio Capital que perguntou sobre as novas pesquisas políticas em 2010.
 9.    Esse mesmo comportamento se observou em entrevista concedida por ele à rede RBS, no Rio Grande do Sul.
10. A resposta ríspida à repórter da TV Brasil que perguntou sobre problemas de água em São Paulo.
11.    O portal Brasilianas não faz militância politica: trata de política públicas. A Sala de Gestão, que está para ser lançada, contém parcerias já firmadas, entre outros, com os governos de Minas Gerais e Pernambuco, através de seus governadores Antonio Anastasia (PSDB) e Eduardo Campos (PSB), o que demonstra o pluralismo do projeto.
12. Desde que os métodos de Serra se tornaram conhecidos, tornei-me um crítico acerbo de seu estilo de gestão e de fazer política. Até por débito com a opinião pública, por ter acreditado em Serra anteriormente. Reitero que, hoje em dia, o predomínio de Serra sobre o PSDB ajudou no afastamento de toda uma geração de intelectuais de peso que historicamente apoiaram o partido. Aliás, o maior mal que o estilo truculento de Serra provoca, é contra seu próprio partido.

terça-feira, 17 de julho de 2012

A Verdade Sobre o Mensalão

video

Clique no quadradinho inferior à direita (tecla "full screen") para colocar na tela cheia. 

 

Esse Vídeo explica a tentativa de golpe de Estado por parte da Mídia alienada e corrupta que buscava apear do poder o maior Presidente da história do Brasil.

Veja como a Revista Veja, esta que agora está envolvida até o pescoço no esquema de Cachoeira, buscou formas espúrias para dar um golpe de Estado ao molde do que foi feito recentemente no Paraguai.